Quanto vale ver Herbert de perto?

por Rogério Oliveira

Tarefa de casa! Assistir a um documentário no cinema. Trabalho de escola é assim, ou faz ou fica sem nota. Tudo bem, Como eu tinha R$ 20,00 de sobra, resolvi cumprir a labuta e ficar livre no domingo. Saí de casa às 17h30min do sábado dia 24 de outubro, imaginando que gastaria R$ 10,00 de ingresso, e sobraria a metade para a pipoca e o refri. Sorte a minha, que não paguei o buzú, economizei R$ 2,15. Cheguei ao Shopping, por volta de 18h40min, fui direto ao multiplex, chegando à bilheteria, nem pensei fui logo perguntando:

– Tem Herbert de perto?

A moça não muito simpática me Respondeu.

– Tenho para as 20h00min.

De novo sem pensar tratei de garantir logo o meu.

– Eu quero

Ela me perguntou como se soubesse que sou estudante.

– Inteira ou meia senhor?

Puxa! Eu tinha esquecido de levar o comprovante de matrícula da escola que estudo, mostrei-lhe o cartão de acesso, ela olhou, meneou a cabeça negativamente, pegou minha nota de vinte reais e colocou o troco na abertura do guichê junto com o ingresso e o cartão, quando peguei tudo que conferi o troco, veio o susto, só tinha R$ 3,00, Conferi o ticket e estava lá com letrinha miúda, inteira R$ 17,00. Fiquei triste é claro pensei em vender e me mandar pra casa, mas, aí pensei, já que estou aqui, vou tirar onda de bacana! Ainda era 19h00min, fiquei por ali dando uma volta pra passar o tempo, quando vou descendo a escada rolante, uma moça muito bonita, teve o seu vestido longo e listrado sugado pela escada, coitada ficou ali um tempão pagando o maior mico e ninguém ajudava, então pensei, vou lá! Sem temor perguntei:

– Precisa de ajuda senhorita?

– Sim! Não tem problema se rasgar, o importante é que me tire daqui.

Depois de algum esforço, prontinho. Fiquei com as mãos sujas de graxa e a jovem além de muita vergonha teve o vestido rasgado.

– Moça por gentileza poderia me dizer seu nome?

– Meu nome é Iara, e muito obrigada.

Fui lavar as mãos e quando cheguei ao banheiro, meu Deus que luxo!

Já quase morrendo de sede, fui à lanchonete, com a propaganda da Pepsi, engraçado todas tinham a mesma publicidade, mas, eu queria tomar água. Vamos aos preços: Pipoca R$ 5,00 da pequena, da grande 7,00. Água R$ 2,50. refri. 300 ml, R$ 2,50. Achei aquilo tudo muito irado, pois, estou acostumado a tomar água de R$ 1,00, ref. de 1,50 e ainda como pipoca de 1,00, também nunca tinha visto alguém presa a uma escada. Aí resolvi registrar tudo. Êpa! Cadê a caneta? Fui comprar, encontrei uma que custava R$ 2.200,00 achou cara? Se eu não pudesse pagar a vista podia dividir em Seis vezes, fui à outra loja e achei uma mais barata, R$ 65,00, mais eu só tinha três reais! Então tive uma idéia, vou ao piso popular, o térreo é claro! Encontrei uma que custava R$ 1,00, comprei. Só que a sede não passava. Saí do shopping atravessei a rua e comprei um H20, que custou R$ 2,00 no camelô. Voltei correndo para não perder o início do documentário, a minha sala era a de Nº 02. Encontrava-se no recinto um grupo de amigos barulhentos, e eu lá anotando tudo, tirando a maior onda. Mas, a coisa que mais me emocionou e que valeu os meus R$ 17,00, foi ver o trailer do filme de Fábio Barreto, com Lucélia Santos e Glória Pires, Lula o filho do Brasil, com estréia prevista para 1º de Janeiro, os olhos encheram de lágrimas. Iniciou o documentário com Herbert na cadeira de rodas assistindo pela TV, imagens antigas da banda Os paralamas do sucesso. A mãe de Herbert, a senhora Tereza Viana, contou como aconselhou o filho a trocar de baterista, já o pai do cantor, disse que o filho quando era pequeno ganhou uma bicicleta e trocou por um violão de verdade. Pude ver também Gilberto Gil falando que os paralamas têm a pegada do reggae, conheci Bi Ribeiro, o baixista da banda, João Barone o baterista que substituiu Vital, e pude perceber a amizade entre esses três rapazes, que bonito estiveram juntos o tempo todo, nesse momento confesso que fiquei bastante emocionado. Relembrei o dia da estréia da banda em 1983 no circo voador, na abertura do show de Lulu Santos, aí a memória funcionou quando eles tocaram na edição do “Rock in Rio”, isso foi em 13 de Janeiro de 1985. Claro que não podia faltar Carlinhos Brown, ajudando a compor uma Brasileira, cantada por Djavan e Herbert. Emoção maior foi quando Dado Villa Lobos, ex-legião urbana, narrou o acidente. Passei momentos difícieis, pois o H2O me deu uma baita vontade de fazer x… Êpa, Mijar, só que eu não queria perder nem um detalhe e aguentei até o final, só que depois me deu dor na bexiga.

“O choro pode durar uma noite, mas, a alegria vem ao amanhecer”, esta frase faz parte da canção do ex-trompetista dos paralamas, Matos Nascimento, hoje evangélico. Aí eu me alegrei ao ver o milagre na vida do líder da banda que conquistou o mundo. Ele encerrou o documentário cantando em inglês a musica “se eu não te amasse tanto assim” para sua esposa morta no acidente, a senhora Lucy Needham Viana. Ingresso R$ 17,00, caneta R$ 1,00, H2O R$ 2,00 no camelô, transporte 2,15 no buzão. “Ver um milagre na vida de Herbert, e tirar onda de bacana em pleno Iguatemi, não tem preço”.

Ah! Quer saber como voltei pra casa? De carona!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: